Vacina anticâncer de pele começa a ser testada em humanos

A abordagem demonstrou eficácia em ratos de laboratório em 2009.

Cientistas afirmaram nesta sexta-feira (6) que já começaram os testes preliminares da vacina experimental para tratar o câncer de pele em humanos. A iniciativa parte de um esforço crescente para "treinar" o sistema imunológico a combater os tumores.

A abordagem, que demonstrou eficácia em ratos de laboratório em 2009, consiste em inserir um implante esponjoso do tamanho de uma unha sob a pele, onde ele reprograma as células imunológicas do paciente para encontrar células cancerosas de melanoma e matá-las.

"É raro conseguir testar uma nova tecnologia em laboratório e levá-la para testes clínicos em humanos tão rapidamente", disse Glenn Dranoff, professor de Medicina da Escola Médica de Harvard e integrante da equipe de pesquisas do Instituto Wyss de Engenharia Biológica.

O teste de fase 1 visa testar a segurança do implante em um número pequeno de pacientes humanos. Depois disso, o dispositivo pode seguir para testes de fase 2 para verificar sua eficácia e testes de fase 3 mais amplos antes de chegar ao mercado.

Os implantes são feitos de um polímero de material biodegradável, altamente permeáveis e que contêm antígenos específicos ao tipo de tumor que é tratado.

O dispositivo libera uma proteína que atrai as células imunológicas e as envia preparadas para detectar e matar as células tumorais.

Os cientistas dizem que ele funciona diferente das vacinas convencionais anticâncer, que consistem em remover as células imunológicas do paciente, reprogramá-las para atrair a malignidade e reinjetá-las porque elas funcionam dentro do corpo.

Um medicamento já comercializado usando o sistema imunológico contra o melanoma, denominado Yervoy, fabricado pelo laboratório Bristol Myers Squibb foi aprovado por reguladores americanos em 2011.

Os gigantes farmacêuticos Merck e Roche também têm medicamentos que usam o sistema imunológico para combater o câncer em testes clínicos.

A farmacêutica britânica GlaxoSmithKline sofreu um golpe esta semana, quando seu teste de fase 3 de um candidato a vacina MAGE-A3 não estendeu a sobrevida de pacientes com melanoma que receberam a vacina depois que seus tumores foram removidos cirurgicamente.

08/09/2013

Diário PB (Online)